sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Bom cinema só para alguns

tumblr_mbmx70Z4vA1rcz4aqo1_500

Um dos (poucos) males de viver fora de Lisboa é a falta de diversidade em cinema. Eu explico: eu vivo numa capital de distrito, já vivi em Lisboa e no que diz respeito a cinema, é uma diferença abismal, ou seja, aqui tenho a Castello Lopes e esta empresa só traz Blockbusters. Exemplo disso é o caso do “Nebraska” que vai estrear no mesmo fim de semana que o “Lego” e é mais que óbvio que é o segundo que vem para cá porque é o que dá mais dinheiro. “Nebraska”, “Philomena” ou “Her” são 3 filmes que nem sequer passarão por cá. Felizmente trabalho em Lisboa e posso vê-los ou posso cometer um crime de pirataria e assistir aos mesmos no conforto do meu lar.

A Castello – Lopes chegou a fechar cá. Houve uma semana que as 6 salas estiveram fechadas e os empregos sem trabalho. Depois voltou tudo ao normal e as salas abriram no semana seguinte; embora a empresa continue em insolvência.

O que dá dinheiro às salas de cinema são os Blockbusters mas será que não se poderia abrir uma excepção nestas salas de cinema fora de Lisboa? Podiam, por exemplo, escolher um dia de semana e passar filmes mais alternativos, ou mesmo, terem a sala mais pequena reservada para este tipo de cinema. Eu quando digo alternativo cá por estes lados, nem me refiro ao cinema alternativo mesmo alternativo. Já me refiro a filmes que não sejam tão “de massas”.

Há uns anos, no Feira Nova, reservavam a 4ª feira, às 19h só para cinema alternativo. Esse sim, era alternativo e ainda cheguei a ver muita coisa lá. Qual a diferença? Eram Medeia e não Castello – Lopes.

Eu sei que não pode haver solução para tudo mas limitarem-se a escolher os filmes considerando apenas o número de bilhetes vendidos, é triste e só leva a maioria das pessoas a fazer o que eu faço: estar às vezes meses sem ir a uma sala de cinema e no entanto, acabo por ver uma média de 2/3 filmes por semana.

19 comentários:

  1. É ainda mais triste do que isso. O que dá dinheiro aos cinemas não são os filmes, são os comes e bebes. Por vezes admiro-me como é que ainda existem salas de cinema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ozpinhead: Eu quando vou ao cinema cá, ou não pago, ou pago metade do bilhete (o que é raro). Quando me pus há pouco tempo a olhar para o preço dos comes e bebes pensei que aquilo devia de ser engano. 1 em cada 10 vezes também me apetece uma pipoca, mas vou ao Pingo Doce que é no mesmo sítio, gasto 0.99€ em picos mais 0.20€ numa garrafa de água e ponho o saco na sala e lá vou eu.
      Se gastei dinheiro duas vezes num pacote de pipocas no cinema, foi muito. Nem me lembro disso...

      Eliminar
  2. Não sou muito de ver filmes alternativos. Mas sei que aqui em Lisboa existia o King. Infelizmente, encerrou há pouco tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alexas: Eu ia muito ao Monumental e ao Saldanha Residence. Sim, o King fechou e é uma pena.

      Eliminar
  3. quando estive a trabalhar por Lisboa chegava a ver 2 filmes por dia no cinema no amoreiras.
    olho para trás com saudades desses tempos.
    também moro numa capital de distrito e aqui já não há cinemas, acho que no velhinho cine-teatro exibem uma vez por semana um filme, patrocinado pela câmara municipal.
    o ultimo filme que vi numa sala de cinema foi o avatar, foi uma desilusão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Salsa: Eu quando vivia em Lisboa. tinha o cartão "Medeia" e aos Domingos fazia sessão dupla.

      Eliminar
  4. E não é só nos cinemas que grassa a falta de diversidade. Mesmo a edição de DVDs em Portugal está a tornar-se muito pobre. Praticamente estamos a ser empurrados para a pirataria se quisermos visionar filmes que não os blockbusters massivamente promovidos pelos grandes estúdios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ozpinhead: Eu tenho mais de 300 dvd originais mas há anos que não compro nada e quando vejo é só coisas comerciais...

      Eliminar
  5. O cinema hoje e dia é uma máquina de fazer dinheiro, e o cinema alternativo não dá grande lucro porque não enche salas :/ vejo por mim, tudo o que não seja "blockbuster" vejo em casa.. talvez se os bilhetes custassem metade do preço, aproveitaria melhor o grande ecrã..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa: Eu só vou tanta vez ao cinema porque me arranjam bilhetes à borla senão podes crere que não pagava quase 7€ por um bilhete.

      Eliminar
  6. Pois é o problema do capitalismo (lololol). Mas a verdade é que, infelizmente, quem manda "nisto" não tem visão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Namorado: Money, makes the world go 'round ;)

      Eliminar
    2. É isso e o oportunismo dos idiotas :P

      Eliminar
  7. Eu deixei de ir ao cinema há muito tempo e moro mesmo no centro de Lisboa.
    O último filme que vi no cinema foi o "La piel que habito" do Almodovar, no São Jorge. Continuo a ser egoísta e a gostar de ver cinema no conforto do lar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta: Esta vai ser a 3ª semana que só estreia merda aqui. Desculpa o termo mas é mesmo isso. Continuo a vê-los no conforto o lar.

      Eliminar
  8. Fã de tv e cine25 abril, 2014 09:27

    Não vou ao cinema faz anos.
    A forma como tornaram a distribuição é desinteressante. São filmes de consumo rápido, tipo fast-food. E nem toda a gente aprecia comer fast-food regularmente. O mesmo se passa para filmes.

    Todos os filmes que vejo descubro-os na televisão. Repara que estes mal acabam no cinema em menos de um ano passam num canal por cabo qualquer. Tenho visto bons filmes assim. Descubro-os assim.

    Também gostaria que existisse uma oferta mais variada e alternativa - a preços bem convidativos por ingresso. Porque dar 7€ por um bilhete e ainda nos tentarem impingir 3€ em pipocas, 2€ em refrigerantes ou demais comidas e 5€ por uns óculos é chato. Não vou ao cinema para comer! Mas assim que se entra na sala é aquele ruminar, de dezenas de bocas a mastigar...

    O problema é mesmo a forma como é feita a comercialização e divulgação. O público iria ver qualquer coisa e não só os blockbusters (esses podem ser vistos a qualquer altura). O público viria com agrado filmes alternativos. A distribuição é que devia ser diversificada. Mas são tão exclusivos que o grande público acaba por passar ao lado. Não porque não tem interesse, mas por o sistema estar feito assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fã de tv e cine: Eu na televisão é raro ver porque é tudo repetido e já vi quase tudo. Claro que me refiro aos canais do cabo. Nos 4 canais não vejo cinema há anos.

      Eliminar
    2. De vez em vez os canais nacionais passam filmes interessantes mas os mais recentes - bons ou maus, também os vejo no cabo. Assim como os clássicos ou os muito conhecidos. Estou agora a ver OS ESTAGIARIOS, que é do ano passado. Uma comédia com owen Wilson sobre ir trabalhar para o Google. Estou a ver na descontra, sem ter procurado, simplesmente ia começar e fiquei para ver.

      Podia ter ido ao cinema o ano passado para ver este filme e lá ter deixado 7€ e se calhar não gostar tanto da experiência porque por vezes tem quem atrapalhe o visionamento. Mas sei que dali a um ano já o estou a ver na TV e tem outra coisa: os filmes ficam em cartaz muito pouco tempo, quase sempre os perco.

      Mas claro que, se tivesse como ir ao cinema de graça, sem pagar o bilhete, ia mais vezes, porque sempre é uma experiência diferente e se tolera melhor qualquer contrariedade quando se «ganha» a entrada :)

      Bjs

      Eliminar
    3. Fã da TV e Cine: Mal de mim se visse filmes na tv. Só via coisas atrasadas. Esse "The internship" vi meia hora e desisti. Achei super parvo.

      Eliminar