sexta-feira, março 07, 2014

A trilogia “Millenium”

tumblr_n0k5sdFSi81r426i4o1_500

tumblr_n0k5sdFSi81r426i4o2_500

Há uns tempos li a trilogia “Millenium” que é uma série composta de três volumes escritos pelo jornalista sueco Stieg Larsson.

Retrata o tema da violência sexual contra as mulheres e isso deve-se ao fato de que Larsson, enojado, testemunhou a violação coletiva de uma jovem quando tinha 15 anos. O autor nunca se perdoou por não ajudar a vitima, cujo nome era Lisbeth - como a jovem heroína dos seus livros, e resolveu dedicá-los a ela.

A trilogia consiste no 1º volume “Os Homens que Odeiam as Mulheres”, 2º volume, “A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo” e o 3º volume, “A Rainha no Palácio das Correntes de Ar”.

Pessoalmente gostei mais do 1º livro e quem não quiser ler os seguintes não ficará “desfalcado”. Mas é claro que é interessante ler as 3 obras. Os livros são extremamente violentos e aqui fica uma dica: a maioria das pessoas preferiu o filme original, em Sueco. Eu gostei muito mais da versão americana, do David Fincher. Aguardam-se os dois filmes seguintes.

24 comentários:

  1. Comecei a ler o primeiro livro, mas perdi o interesse antes de chegar a meio. não pela história, mas pela maneira maçuda como ele descrevia as coisas. Qualquer dia terei que o recomeçar, talvez consiga interpretar de outra forma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miguel R: Eu achei que o 1º se lê num ápice mas sim, a maneira que descreve a família toda é um pouco aborrecida. E o filme, viste?

      Eliminar
    2. Não. Se não tivesse começado a ler o livro era capaz de ler, mas assim é sacrilégio, porque tenho algumas personagens já criadas na minha cabeça, e como não o li todo, algumas das personagens que aparecessem mais para a frente no filme iam ficar me na cabeça. Só vejo qd conseguir ler o livro, eu sei que é ridiculo mas pronto xD

      Eliminar
    3. Miguel R: É que assim nunca mais :)

      Eliminar
  2. Quer no sueco, quer no americano, a escolha da actriz para interpretar a Lisbeth Salander foi muito bem conseguida. Li e vi todos. Aguardo os dois americanos que faltam para poder tecer críticas.

    ResponderEliminar
  3. Chata: Concordo contigo. As Lizbeths estão muito bem conseguidas, embora ache que a Americana está superior. Aliás, todo o filme.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acresce deste lado mais uma fã da Rooney Mara!!

      Eliminar
  4. Gostei da trilogia toda, não conseguia parar de ler. Não vi o filme sueco mas o americano é fantástico. E foi aí que nasceu o meu crush pela Rooney Mara! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta Moura: Eu já não consigo dissociar a Rooney Mara da Lisbeth!

      Eliminar
  5. Li os três volumes, e sempre que acabava um, via o respectivo filme. Era uma algazarra pegada porque eu não parava de gritar com a televisão, como se a coitada tivesse alguma culpa "no livro não é assim, não livro não é assado" lol

    É difícil adaptar uma obra tão extensa e cheia de contornos obscuros ao cinema e enquanto os suecos tentaram manter-se fieis à história, os americanos preocuparam-se em fazer um filme com mais acção, mesmo que se desviassem bastante do livro. Acabei por gostar mais da adaptação americana, achei os outros mais penosos de ver.. um deles precisei de alguns três dias para vê-lo, pois deixava-me dormir :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa: Eu vi o primeiro filme americano antes de ler o livro. Quando andava a ler a trilogia, tentei fazer o mesmo que tu, ver o filme após o livro. Não acabei o primeiro filme sueco. Não senti empatia com o gajo e não o achei nada como descrito no livro.

      Eliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Tenho os três livros lá em casa a ganhar teias de aranha desde que vi o primeiro filme original no cinema. Não vi a versão Americana porque já tinha visto os três filmes originais. Destes, gostei bastante dos primeiros dois, e achei o último uma enorme seca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ozpinhead: Lê o que disse à Isa. Senti o mesmo.

      Eliminar
  8. Não li, não vou ler. Decidi assim que soube que o autor morreu antes de completar a obra. O filme amerciano é bom, mas não vi os outros, portanto não tenho termo comparativo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo: Até já li que vão dar continuidade. É fazer render o peixe. Com isto não concordo.

      Eliminar
  9. Li a trilogia e adorei. Gostei muito do 1º livro, mas acho que o 2º também não lhe fica nada atrás ;) Não sabia isso, de ele ter testemunhado uma violação...

    Também já vi os filmes suecos e o primeiro americano. Aguardo os seguintes ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jo: É curioso aqui todos concordarmos que o Americano é melhor. Na altura, as pessoas com quem falava, diziam-me o contrário.

      Eliminar
  10. Aconteceu-me com este o mesmo que com o Fight Club: adorei o filme e depois é que li o livro (estou a ler o primeiro da trilogia). O Fincher é um master ao apostar nestas obras e dar-lhes notoriedade através do grande ecrâ.

    A Lisbeth Salander é tão moderna quanto sexy. Imagino como seriam os/as filhos/as dela com o Tyler Durden!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui de Sousa: Ahahahahaha! Fodidos da tola! Não há outra maneira de o dizer ;)

      Eliminar
  11. Eu gostei das duas, mas a ter de eleger um favorito seria a versão original, sueca :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta: Estás em minoria!

      Eliminar
    2. Eu sei, mas acredito que a minha tendência tenha a ver com o facto de gostar muito de sueco. Tenho família que vive na Suécia e é uma lingua que estou habituada a ouvir e falar desde pequena :)

      Eliminar
    3. Marta: Assim entende-se :)

      Eliminar