quinta-feira, abril 24, 2014

“Behind the Candelabra” de Steven Soderbergh (2013)

 behind-the-candelabra-capa behind-the-candelabra-poster

Um filme pelo qual esperava há já algum tempo. Ia lendo as noticias e estava muito curiosa para vê-lo. Vi o ano passado e foi uma surpresa muito boa. Não esperava que o filme fosse tão bom. Gostei imenso.

Derivado aos conteúdos do filme, não houve nenhum estúdio que quisesse apostar neste projecto. Era muito polémico e “muito gay”. Steven Soderbergh bateu a todas as portas e nada…A HBO apostou e foi uma aposta ganha. Este filme ganhou imensos prémios, principalmente na categoria dos Actores. Na Europa e no Reino Unido, este filme chegou a passar nalgumas salas de cinema, mas nos Estados Unidos passou apenas na televisão, pelos moitvos a que me referi em cima.

Steven Soderbergh mostra-nos Matt Damon e Michael Douglas como nunca vimos antes. É notável vermos actores deste gabarito, com a notoriedade que têm, a exporem-se desta maneira. A caracterização está magnifica e os maneirismos de ambos estão fabulosos.

A história começa em 1977 e termina em 1986. Mostra-nos Scottie (Matt Damon), um rapaz com muito bom ar, que conhece Liberace (Michael Douglas) e rapidamente se envolvem os dois. Liberace tenta ao máximo “encantar” Scottie com todos os bens materiais e conforto que a vida tem, mas ao mesmo tempo, dar-lhe um lado familiar estável que Scottie nunca teve. O filme conta-nos a história da relação de ambos durante anos e também do vicio das drogas e das operações plásticas. Embora não se note na história, ambos tinham 40 anos de diferença um do outro.

Liberace foi um pianista mundialmente famoso, conhecido pelas suas extravagâncias na forma de viver e de estar em palco; muito queen mas que defendia a todo o custo, que era heterossexual, mas no entanto, não podia ver um rapazinho bonito. A sua casa era um exagero, tudo muito kistch, muito dourado e muito ostentativo.

Outra personagem muito curiosidade é o cirurgião plástico, Dr. Jack Startz (Rob Lowe) que está irreconhecível. Está de tal maneira “puxado” que já não fecha os olhos.

Esta história é baseada em factos verídicos.

Argumento: Liberace (Michael Douglas) viveu luxuosamente e teve uma vida de excessos, dentro e fora do palco. No verão de 1977 conhece o jovem e belo Scott Thorson (Matt Damon). Apesar da diferença de idades e de pertencerem a mundos opostos, os dois envolvem-se numa relação amorosa durante cinco anos."Behind the Candelabra", realizado por Steven Soderbergh, conta a história deste relacionamento secreto e tempestuoso – desde o primeiro encontro nos bastidores do Las Vegas Hilton até à separação, pública e e amarga.

Curiosidades: Embora Matt Damon tenha 42 anos, Scottie era apenas um adolescente quando conheceu Liberace e 23 quando a relação de ambos acabou. Quando era pequeno, Michael e o pai Kirk Douglas, eram vizinhos de Liberace, pois viviam no mesmo bairro. Robin Williams foi a primeira aposta para fazer de Liberace.

 tumblr_n3dazbDig21qdikipo2_500  tumblr_n3drfovZmt1se34hmo4_1280

 tumblr_n2tk82NSGM1r80xjoo5_500

“I love to give the people a good time.” - Liberace

18 comentários:

  1. Sinceramente, acho que nunca me daria ao trabalho de ver este filme, mas agora fiquei curioso face à tua reacção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ozpinhead: Porque não? És tipo o meu pai? Cinéfilo assumido mas não vê o "Brokeback Mountain" porque lhe "faz confusão"?
      Acredita em mim que é um bom filme, especialmente pelas interpretações. Gostava que visses.

      Eliminar
    2. lol não. Vi o Brokeback Mountain no cinema. Relativamente a este, apenas porque me parecia uma banhada. Nem me apercebi que era do Soderbergh.

      Eliminar
    3. Ozpinhead: Não é banhada. Nada disso.

      Eliminar
  2. Adorei este filme! O Matt e o Michael estão fabulosos e o Rob Lowe está demais. Fartei-me de rir com a figura!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta Moura: Quando o vi, "recomendei" a algumas pessoas e todos gostaram. O Rob Lowe está demais! Ahahahah!

      Eliminar
  3. Não conhecia este filme, e quando vi os posters até pensei que era uma espécie de montagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oceano: Não é montagem. Prometes que vais ver? :)

      Eliminar
    2. Não posso prometer o que posso não cumprir :-p mas vai para a lista de espera :-S

      Eliminar
    3. Oceano: Só não vês se não quiseres. :)

      Eliminar
  4. Sinceramente acho que não ouvi falar dele mas se tivesse ouvido, acho que me teria passado ao lado. Já que recomendas, um dia destes vou dar-lhe uma oportunidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inês S: O problema foi mesmo esse; ele passou ao lado de muitas pessoas. É pena porque ele ganhou muitos prémios.

      Eliminar
  5. Eu não reconheci nenhum dos atores pela imagem do cartaz. Não fosse ter os nomes JAMAIS ia lá pelas caras de photoshop! Mas parece interessante... não tanto me surpreende que atores de gabarito façam estas personagens. Afinal o cinema está em crise e a/s grandes vedetas procuram projetos onde possam brilhar mas também onde possam variar.

    Nos anos 80/90 um ator era quase para um tipo de papel. O Michael Douglas fez muitos, mas o de aventureiro ou de homem de negócios foi quase sempre a norma. Ultimamente serem GAYS é uma espécie de oásis interpretativo no cinema. E convenhamos: estas personagens extravagantes, com um bom texto e uma boa história são bons desafios de representação. Já viste PAPERBOY?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sit: Vi o "Paperboy" e está apontado para fazer post aqui. A Kidman e o Cusack estão impecáveis. Principalmente o Cusack...mas não vou falar mais para não estragar o post que farei. Ehehehehe!

      Eliminar
    2. Boa dora! O filme merece ser comentado.
      Eu gostei muito também da interpretação do Matthew McConaughey e do Zac Efron. Mas quem é que não está bem nesse filme? A cena da Kidman a abrir as pernas e a masturbar-se (mentalmente mas masturbação) diante de todos eles atónitos... Mas não falo mais! O filme é soberbo. Uma boa descoberta que um dia apanhei nos canais por cabo. É um filme independente dos grandes estúdios, segundo li algures. E as estrelas correm todos para este género como abelhas ao mel. Pudera, papéis como aqueles não são para desperdiçar. Ainda por cima quebra com a imagem que hollywood "criou" de cada um dos atores, permitindo-lhes revelar a sua diversidade e talento noutros registos bem diferenciados.

      Eliminar
    3. Fã da TV e Cine: Eu tinha dito que não ia falar mais para não estragar o post que ia fazer mas já disseste tudo. Está o post feito.

      Eliminar
  6. Fiquei curiosa.
    Vou ver e depois venho cá comentar :)

    ResponderEliminar