domingo, janeiro 10, 2016

"The Danish Girl" de Tom Hooper (2015)


Após a excelente performance de Eddie Redmayne o ano passado no "The Theory of Everything", fiquei muito curiosa em ver este filme. Ouvi alguns comentários que o Redmayne estava muito bem e que o filme era bom. Os maneirismos dele, o toque, os olhares, a sensibilidade...fabuloso. Fui ver ontem e realmente confere: o filme é muito bom.

Se este ano o Oscar não for para o Leonardo DiCaprio, irá certamente para o Eddie Redmayne. Embora tenha ganho o ano passado, isso não quer dizer que as hipóteses estejam contra ele, pois o Tom Hanks também ganhou dois anos seguidos.

A realização e a fotografia estão muito bem contadas. Existem planos muito pormenorizados, principalmente em relação ao vestuário e mais no início do filme, que são tão bonitos...

Este filme acaba por fazer também um pouco de serviço público porque explica pormenorizadamente um assunto que atualmente já se fala mas há uns anos era completamente tabú. No meu caso, houve uma cena inicial que arrancou uma gargalhada de um senhor na sala de cinema e eu pensei para mim: "Se vais achar piada, não me parece que tenhas escolhido o filme certo".

Penso que é capaz de conseguir as seguintes nomeações: Melhor Actor, Melhor Atriz, Melhor Fotografia, Melhor Argumento Adaptado, Melhor Guarda Roupa, Melhor Realizador e Melhor Filme.

Sinopse: Este filme é a biografia de Lili Elbe (Eddie Redmayne), que nasceu Einar Mogens Wegener e foi a primeira pessoa a submeter-se a uma cirurgia de mudança de sexo. Trata também do relacionamento amoroso do pintor dinamarquês com Gerda (Alicia Vikander) e a sua descoberta como mulher.

Curiosidades: A primeira opção para interpretar Einar/Lili, foi Nicole Kidman. O casamento de Einar com Gerda durou 26 anos. No filme, Lili parece mais nova quando fez a operação mas na realidade, tinha 47 anos. Não filme não menciona mas Lili fez uma operação para ter um útero que lhe pudesse ter filhos. Durante a rodagem, Redmayne teve autorização para se ausentar durante o fim de semana dos Oscars (onde ganhou) e depois teve de voltar à Europa para filmar.




14 comentários:

  1. Estou ansiosa por ver. Já estive para comprar o livro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria do Mundo: o livro é capaz de ser ainda melhor porque aparentemente o filme não é assim tão fiel.

      Eliminar
  2. Muito curioso em relação ao filme!!! Vou esperar para ver em casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Limite do Oceano: Tu vais gostar muito.

      Eliminar
  3. É um filme que quero muito ver :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mó: Duvido que alguém não goste deste filme.

      Eliminar
  4. Não me cheira. Parece o Theory of Everything deste ano, filme que não me entusiasmou por aí além, mas a servir de bandeira aos lobby LBGT. Já estou um pouco cansado deste tipo de filme quando não têm nada de original para dizer.
    Sobre o tópico chega-me o Transamerica. Este vejo-o na tv quando por lá passar, até porque tenho que poupar dinheirinho pois só esta semana estreiam 3 filmes que quero ir ver ao cinema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ozpinhead: Eu como adoro esta temática, nunca me farto. O Transamerica só vi uma vez.
      Para ele não ter ganho ontem o Globo, não deve ganhar o Oscar...espero eu. Mas faz um grande, grande papel.

      Eliminar
    2. Os globos de ouro não contam para nada. Não têm qualquer peso nos óscares. Se queres um bom indicador nesta categoria é ver os resultados dos SAG Awards no próximo dia 30.

      Eliminar
    3. Ozpinhead: Claro que contam. É o reconhecimento. Não quero dizer com isto que o que é certo nos Globos, é nos Oscars. Muitas vezes, não é. Mas para mim é importante e gosto de ver.

      Sim, concordo com os SAG.

      Eliminar
  5. Estou cheia de vontade de ver este!

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar